Visualizações de páginas da semana passada

domingo, 17 de abril de 2011

Como seria o mundo sem o Calvinismo?

Abraham Kuyper

Para provar isto, perguntem-se o que a Europa e a América teriam se tornado, se no século 16 a estrela do Calvinismo não tivesse subitamente nascido no horizonte da Europa Ocidental. Neste caso, a Espanha teria esmagado a Holanda. Na Inglaterra e Escócia, os Stuarts teriam executado seus planos fatais. Na Suíça, o espírito de indiferença teria prosperado. Os primórdios da vida neste novo mundo teriam sido de um caráter completamente diferente. E como seqüência inevitável, a balança do poder na Europa teria retornado a sua primeira posição. O Protestantismo não teria sido capaz de manter-se na política. Nenhuma resistência adicional poderia ter sido oferecida ao poder romanista conservador dos Hapsburgos, dos Bourbons e dos Stuarts; e o livre desenvolvimento das nações, como visto na Europa e América, simplesmente teria sido impedido. Todo o continente americano teria permanecido sujeito à Espanha. A história de ambos os continentes teria se tornado uma história muito triste, e sempre permanece uma questão se o espírito do Ínterim de Leipzig[1] não teria sido bem-sucedido, por via de um protestantismo romanizado, ao reduzir o norte da Europa novamente ao controle da velha hierarquia.

 

O Heroísmo do Espírito Calvinista

A devoção entusiástica dos melhores historiadores da segunda metade deste século à luta da Holanda contra a Espanha, um dos mais belos objetos de investigação, somente explica-se pela convicção de que se o poder da Espanha naquele tempo não tivesse sido quebrado pelo heroísmo do espírito calvinista, a história da Holanda, da Europa e do mundo teria sido tão penosamente triste e negra quanto agora; graças ao Calvinismo, ela é brilhante e inspiradora. O professor Fruin corretamente observa que: “Na Suíça, na França, na Holanda, na Escócia e na Inglaterra, e onde quer que o Protestantismo teve de estabelecer-se na ponta da espada, foi o Calvinismo que prosperou”.

 

O Cântico da Liberdade vira realidade, com o Calvinismo

Traga à memória que esta mudança na História do mundo não poderia ter sido realizada exceto pelo implante de outro princípio no coração humano, e pela descoberta de outro mundo de pensamento para a mente humana; que somente pelo Calvinismo o salmo de liberdade encontrou seu caminho da consciência perturbada para os lábios; que ele tem conquistado e garantido para nós nossos direitos civis constitucionais; e que, simultaneamente a isto, saiu da Europa Ocidental aquele poderoso movimento que promoveu o reavivamento da ciência e da arte, abriu novas avenidas para o comércio e negócios, embelezou a vida doméstica e social, exaltou a classe média a posições de honra, produziu filantropia em abundância, e mais do que tudo isto, elevou, purificou e enobreceu a vida moral pela seriedade puritana; e então julguem por si mesmos se expulsarão ainda mais este Deus dado pelo Calvinismo aos arquivos da História, e se é apenas um sonho imaginar que ele ainda tenha uma bênção para trazer e uma esperança brilhante para desvendar para o futuro.

 

O Calvinismo inspira a Vitória

A luta dos Boers[2] na Transvaal[3] contra um dos mais fortes poderes deve freqüentemente lembrar vocês de seu próprio passado. Naquilo que foi alcançado na Majuba[4], e recentemente por ocasião do confronto de Jameson, o heroísmo do velho Calvinismo foi de novo brilhantemente evidenciado. Se o Calvinismo não tivesse sido passado de nossos pais para seus descendentes africanos, nenhuma república livre teria surgido no sul do Continente Negro. Isto prova que o Calvinismo não está morto – que ele ainda carrega em seus germes a energia vital dos dias de sua primeira glória. Sim, assim como um grão de trigo do sarcófago dos Faraós, quando novamente confiados a guarda do solo, traz fruto a cem vezes mais, assim o Calvinismo ainda carrega em si um poder maravilhoso para o futuro das nações. E se nós, cristãos de ambos os continentes, ainda em nossa santa luta, ainda estamos esperando realizar ações heróicas marchando sob a bandeira da cruz contra o espírito dos tempos, somente o Calvinismo nos equipa com um princípio inflexível, pela força deste princípio, garantindo-nos uma vitória segura, embora longe de ser uma vitória fácil.

_________________________
Fonte:Calvinismo, Abraham Kuyper, Ed. Cultura Cristã, págs.48-50

_________________________
Notas:
[1] Este Ínterim (provisório) foi feito em 1548 por Melanchton e outros sob o comando de Maurício da Saxônia. As cerimônias R. C. foram declaradas adiaphofron, e a “Sola” de Lutero foi evitada. Foi uma modificação muito mediadora do Ínterim de Augsburgo, imposto no mesmo ano. Ínterim significa “Acordo provisório”, neste caso entre os Católicos romanos e os Protestantes alemães.
[2] A maneira correta de grafar é boere, plural de boer, fazendeiro, modo pejorativo de os ingleses se referirem aos descendentes dos holandeses na África do Sul.
[3] Kuyper faz referência à Guerra dos Boers, na África do Sul (1880-1902), na qual os descendentes de holandeses lutaram contra o Império Britânico para garantir a independência daquele país. Kuyper apela à semelhança daquele levante com a Guerra de Independência dos Estados Unidos (1776).
[4] Majuba: Essa cidade foi palco de derrota dos ingleses, em fevereiro de 1881, o que garantiu o auto-governo ao Transvaal (então república, mais tarde uma das províncias da África do Sul).


Extraído do site: http://www.eleitosdedeus.org/calvinismo/como-seria-o-mundo-sem-o-calvinismo-abraham-kuyper.html#ixzz1Jq5bztpf
Informe autores, tradutores, editora, links de retorno e fonte. Não é autorizado o uso comercial deste conteúdo. Não edite ou modifique o conteúdo.
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

POR QUE LER OS PURITANOS HOJE?

Acredito que existem várias razões para o ressurgimento do interesse pelos Puritanos e seus escritos. Uma delas é que as pessoas estão ficando cansadas de coisas que a religião promete, mas não pode dá-las. Todo tipo de promessas são feitas, mas as pessoas investigam a religião por causa do interesse próprio, e quando estas promessas não se tornam realidade elas ficam desapontadas. Creio que elas também estão cansadas da religião superficial e sem seriedade em sua base. Muitas pessoas não louvam a Deus, porque o deus do qual a maioria ouve falar realmente não é o “Senhor Deus onipotente que reina para sempre e eternamente”. Ele é simplesmente “meu amigo”, e esta familiaridade certa mente produz desrespeito!

Os puritanos foram homens apaixonadamente obcecados pelo conhecimento de Deus. Eu listei 10 razões do porquê devemos ler os puritanos hoje, e cada uma delas é derivada diretamente da visão Puritana de Deus e das Escrituras.

1) Eles elevarão o seu conceito de Deus a um nível que você jamais imaginou fosse possível, e lhes mostrarão um Deus que realmente é digno de seu louvor e adoração. Jeremiah Burroughs, em seu clássico livro Louvor Evangélico, disse: “A razão porque nós adoramos a Deus de uma maneira não séria, é porque não vemos a Deus em Sua glória”. O homem moderno ouve falar de um Deus que não é digno de ser louvado. Por que ele deveria louvar a um Deus que quer fazer o bem, mas não pode ser bem sucedido porque o homem nÍ o coopera? Quem afinal é soberano? O homem o é!

Leia os puritanos e você se achará, num sentido espiritual, de alguma forma sozinho. Você se sentirá empolgado com aquilo que está lendo e com o que está sentindo em seu coração, e perceberá que não há muitas outras pessoas que entenderão daquilo que você está falando; esta pode ser uma solitária experiência! Quando você experimenta a visão que Isaías teve de Deus (Is. 6), e percebe que a realidade de Deus está infinitamente além de qualquer coisa que a sua mente possa compreender, você perceberá que o homem comum não pensa muito a respeito de Deus, muito menos no nível profundo que você está pensando.

Uma das razões de termos um pensamento tão pobre é porque lemos tão pouco. Ler ajuda-nos a pensar. Nós vivemos numa “cultura fotográfica” (visual) ao invés de uma cultura tipográfica (de letras). Tudo são fotos, vídeos e filmes. Todo trabalho está feito para nós e assim não precisamos lutar com conceitos. Outra pessoa interpreta as coisas para nós com imagens. Há 400 anos atrás, as palavras estavam congeladas, estáticas numa página e estas forçavam os leitores a trabalharem mentalmente com os pensamentos ali expressos.

2) Os Puritanos tinham um “caso de amor” com Cristo, e eles escreveram muito sobre a beleza de Jesus Cristo. Um dos maiores puritanos foi Thomas Goodwin, um Congregacional. Escrevendo sobre o céu, Goodwin disse: “Se tivesse que ir ao céu e descobrisse que Cristo não estava lá, eu sairia correndo imediatamente, pois o céu seria o inferno para mim sem Cristo”. O céu sem Cristo não é o céu, e se Cristo não estiver lá, eu não tenho nenhum desejo de estar lá. Estes homens estavam apaixonados por Cristo.

James Durham escreveu na sua aplicação do sermão sobre Cantares de Salomão 5:16: “Se Cristo é amor como um todo, então todo o resto é repulsivo como um todo”. Nós não nos sentimos assim em relação a Cristo, sentimo-nos? Queremos um pouquinho de Cristo, mas também um pouquinho de várias outras coisas. Mas o verdadeiro cristão quer Cristo e nada além de Cristo.

Samuel Rutherford escreveu o seguinte a respeito da beleza de Cristo:

Eu ouso dizer que escritos de anjos, línguas de anjos, e mais que isso, e tantos mundos de anjos como existem pingos de água em todos os mares e fontes e rios da terra não O poderiam mostrar-lhe. Eu acho que Sua doçura inchou dentro em mim até a grandeza de dois céus.

Ah! Quem dera uma alma tão extensa, como se estendesse até a linha final dos mais altos céus para conter o Seu amor. E ainda assim eu poderia conter só um pouquinho deste amor. Oh! que visão, de estar no céu, naquele lindo jardim do Novo Paraíso, e assim ver, sentir o cheiro, tocar e beijar aquela linda flor-do-campo, a árvore sempre verde da vida! A sua sombra seria o suficiente para mim; uma visão dEle seria a garantia do céu para mim.

Se existissem dez mil milhões de mundos, e tantos céus cheios de homens e anjos, Cristo não seria importunado para suprir todos os nossos desejos, e nos preencher a todos. Cristo é uma fonte de vida; mas quem é que sabe qual a sua profundidade até o ponto mais fundo? Coloque a beleza de dez mil mundos de paraísos, como o jardim do Éden em um; coloque todas as árvores, todas as flores, todos os odores, todas as cores, todos os sabores, todas as alegrias, todos os amores, toda doçura em um só.

Oh! Que coisa linda e excelente isso seria? E ainda assim seria menos para o lindo e querido bem-amado Cristo do que uma gota de chuva em todos os oceanos, rios, lagos e fontes de dez mil mundos.

Isto é alguém que ama a Cristo, não é?

3) Os Puritanos nos ajudarão a entender a suficiência de Cristo. Isto sofre grandes ataques em nossa igreja moderna. Você pode ter Cristo para salvá-lo, mas hoje em dia você precisa da psicologia para ajudá-lo no curso de sua vida. Pode ter Cristo para salvá-lo e ajudá-lo com seus sofrimentos espirituais, mas você precisa de algo mais para estas dores emocionais profundas que sente.

Existe um livro escrito por Ralph Robinson — contemporâneo de Thomas Watson em Londres — “Cristo: Tudo e Em Tudo”. Robinson escreveu mais de 700 páginas sobre um versículo de Colossenses, “… porém Cristo é tudo e em todos” (Cl 3:11). Você percebe que a questão é a nossa deficiência em entender a suficiência de Cristo. Se Cristo é tudo em tudo, como podemos olhar para qualquer outro, ou para qualquer outra coisa em busca de respostas?

No seu livro “O Tesouro dos Santos”, Jeremiah Burroughs tem um sermão sobre o versículo de Colossenses. Burroughs faz uma afirmação como segue: “Certamente Cristo é um objeto suficiente para a satisfação do Pai”. Nenhum de nós argumentaria contra isso, não é mesmo? Isaías nos diz que Deus verá o “fruto do penoso trabalho de sua alma, e ficará satisfeito”. Assim, Cristo é suficiente para satisfazer a Deus. Burroughs continua: “Certamente, então, Cristo é suficiente para satisfazer qualquer alma!” Você compreende o raciocínio? Coit ado daqueles cristãos que gastam suas vidas inteiras se queixando acerca de seu destino na vida, como se Cristo não fosse suficiente. Que blasfêmia é dizer que Cristo é suficiente para satisfazer a Deus, mas não é suficiente para satisfazer a mim! Muito antes de existir um Freud, um Puritano solucionou o problema da “balela da psicologia” que tanto tem fascinado e agradado a igreja hoje.

4) Os Puritanos nos ajudam a ver a suficiência das Escrituras para a vida e a piedade. Isto é o que Pedro disse (2 Pe 1:3-4). As Escrituras nos dão o conhecimento de Deus, o qual nos dá todas as coisas pertinentes à vida e à piedade. O grito de guerra da humanidade hoje é mais ou menos assim: “Estou buscando a auto-estima”, ou “Quero apenas estar de bem comigo mesmo”.

Os cristãos não carecem de auto-estima; eles carecem de dispensar estima a Cristo! Isaías descobriu quem Deus era e daí ele soube quem de fato Isaías era. Eu me lembro de ter sido convidado para falar numa palestra em outro continente, e pediram-me para falar de mim. Não posso imaginar nada mais constrangedor do que as pessoas ficarem sabendo algo a meu respeito. No livro”Tesouro dos Santos” de Burroughs, seu primeiro sermão é intitulado “A Incomparável Excelência e Santidade de Deus” e é baseado num versículo do Velho Testamento “Quem é como Tu, oh Deu s, entre as nações?”. É um sermão de 35 páginas, e Burroughs fala do esplendor de Deus em metade do sermão. Daí ele escreve sobre a segunda metade do versículo “e quem é como Tu, oh Israel?”. Qual é o ponto em questão? Sendo que não há ninguém comparável ao Seu Deus, não há ninguém como você! Assim, você não precisa de auto-estima para sentir-se bem consigo mesmo; você precisa ter “Cristo-estima”; você precisa sentir-se bem com Deus.

Se o homem é criado à imagem e semelhança de Deus, como poderia alguém ter falta de auto-estima? Cristo deu Sua vida, pagando um alto preço por Sua Igreja. Isso é verdadeiramente digno, meus amigos!

5) Os Puritanos podem ensinar-nos sobre a extrema maldade da natureza do pecado. Edward Reynolds escreveu um livro intitulado “A Pecaminosidade do Pecado”, e Jeremiah Burroughs escreveu “O Mal dos Males”. Não há outra doutrina que importe sermos mais ortodoxos do que nesta. Porque se você está fora da doutrina do pecado, você está fora de toda doutrina. Este é o fio da meada que vai abrir todo o invólucro.

Burroughs escreveu 67 capítulos sobre esta premissa: O pecado é pior que o sofrimento; as pessoas farão tudo que puderem para evitar o sofrimento, mas farão quase nada para evitar o pecado. O pecado é pior que o sofrimento, isso, no entanto, é porque o pecado causa o sofrimento. De fato Burroughs vai ao ponto. O pecado é pior que o inferno, porque o pecado causou o inferno. E a causa é pior que a conseqüência da causa.

Obadiah Sedgwick, um presbiteriano Londrino proeminente e que era um membro da Assembléia de Westminster, escreveu um livro perscrutador “A Anatomia dos Pecados Ocultos” — um tratado sobre o clamor de Davi pedindo para ser liberto de pecados ocultos; aqueles pecados escondidos nos recessos mais íntimos de nossos corações. Aqueles pecados que não são conhecidos de mais ninguém, só por nós e Deus, pecados que são tão maus e condenados como quaisquer outros.

Jonathan Edwards disse o seguinte acerca do pecado: “Todo pecado é de proporção infinita, e é mais ou menos mau dependendo da honra da pessoa ofendida. Já que Deus é infinitamente santo, o pecado é infinitamente mau”. É por isso que não existe esse negócio de pecado pequeno (pecadinho), porque o mais leve pecado é um ato de traição cósmica cometida contra um Deus infinitamente santo.

Simplesmente por seu enorme valor literário, este material não tem preço. As imagens de Edwards em seu sermão”Pecadores nas Mãos de um Deus Irado” são imbatíveis. Ele compara Deus com um arqueiro e seu arco em mãos; aquele arco está retesado e a flecha está diretamente apontada para o coração do homem; os braços do arqueiro estão trêmulos de tão firme que o arco está ao ser puxado. E Edwards diz que a única coisa que impede Deus de deixar aquela flecha voar e penetrar no sangue do pecador é o beneplácito de um Deus que está infinitamente irado com o pecado a cada dia. Um escritor secular que estava fazendo uma obra sobre Jonathan Edward s foi perguntado por um cristão: “Você sabe, se Edwards tiver razão então aquela flecha está apontada para o seu coração. Como você pode dormir à noite?”. A resposta foi a seguinte: “Às vezes eu não durmo! Só espero em Deus que Jonathan esteja errado”.

6) Os puritanos nos ajudarão na vida prática. O livro de Richard Baxter, “O Diretório Cristão”, tem sido chamado de “o maior manual de aconselhamento cristão jamais produzido”. Antes do presente século todo aconselhamento era feito do púlpito ou durante uma visita pastoral à família para catequizá-la. Os pastores eram vistos como os médicos da alma. É interessante notar que a palavra “psicologia” significa o estudo da alma. Suke, de onde temos “psyche” e de onde vem “psicologia” quer dizer “alma”. Só que hoje em dia o que costumava ser a cura de almas pecaminosas, passou a ser a cura de mentes doentes (pecado virou doença). Esta tarefa foi tirada do pastor, o qual conhece a alma melhor que qualquer outro, e foi dada a conselheiros (psicólogos) dentre os quais, muitos nem mesmo crêem em Deus. Eles não podem curar males espirituais. O “Diretório” de Baxter mostra o gênio de um homem, que pôde aplicar as Escrituras em todas as áreas da vida. O Dr. James Packer chama este livro de o maior livro cristão já escrito.

O livro “A Prática da Piedade” de Lewis Bayly é um modelo de manual devocional Puritano. A idéia era a de regular o dia inteiro de um indivíduo pelas Escrituras. O Dr. John Gerstner diz que este livro deu início ao movimento Puritano.

Não havia nenhuma área da vida, criam os puritanos, que não devesse ser regulada pelas Escrituras. Mesmo o tempo a sós deveria ser posto à disposição do uso da piedade. Nathanael Ranew escreveu uma refinada obra — intitulada “Solidão Aperfeiçoada pela Meditação Divina”. Esta é uma obra puritana clássica sobre meditação espiritual. A premissa de Ranew é que, mesmo quando o cristão está só ele pode “melhorar-se” a si mesmo usando sua mente para o bem, meditando em Deus e em Seus atributos. Se existisse um 11º mandamento, este seria: “Não deveis desperdiçar tempo”.

Os Puritanos escreveram vários destes “manuais”. John Preston pregou cinco sermões em I Tessalonicenses 5:17 sobre a oração, entitulados “O exercício diário dos Santos”, os quais estão incluídos no “Os Puritanos e a Oração”.

R.C. Sproul escreveu o prefácio do livro de Jeremiah Burroughs “Tratado sobre Mentalidade Terrena”. Eis aí um livro sobre o grande pecado de pensar como o mundo pensa, ao invés de pensar os pensamentos de Deus e segundo Deus.

Os Puritanos tinham característica pastoral forte, além de serem muito teológicos. Christopher Love — sobre quem eu escrevi um livro “Um Espetáculo para Deus” — disse o seguinte, em seu terceiro volume sobre sermões de crescimento na graça:

Não olhe demais para os seus pecados, mas olhe também para a sua graça ainda que fraca. Cristãos fracos olham mais para os seus pecados do que para suas graças recebidas; Deus olha para suas graças e não atenta tanto para seus pecados e fraquezas. O Espírito Santo disse: “Ouvistes da paciência de Jó”; mas Deus leva em conta não o que existe de mau em seu povo, mas o que é bom nele. É mencionado o fato que Raabe escondeu os espias, mas nada é mencionado a respeito da mentira que ela contou. Aquilo que foi bem feito foi mencionado como louvável sobre Raabe. Já o que foi inapropriado está sepultado em silêncio, ou pelo menos não está registrado contra ela e nem como acusação contra ela . Aquele que desenhou o quadro de Alexandre com sua cicatriz na face, desenhou-o com seu dedo sobre a cicatriz. Deus coloca o Seu dedo de misericórdia sobre as cicatrizes de nossos pecados. Oh, como é bom servir um Senhor assim, que é pronto a recompensar o bem que fazemos e ao mesmo tempo está pronto a perdoar e esquecer o que é inapropriado. Por isso, vocês que têm só um pouco de graça, lembrem-se que ainda assim Deus terá os Seus olhos sobre esta pequena graça. Ele não esmagará a cana quebrada, nem apagará a torcida que fumega. (Is 42:3)

7) Os Puritanos nos ajudarão no evangelismo que é bíblico. Grande parte do evangelismo feito hoje é centrado no homem, mas o evangelismo Puritano era centrado em Deus. Os puritanos tinham outra doutrina, que se tem perdido hoje em dia e tem o nome de “buscar” ou “preparação para a salvação”. Era uma doutrina amplamente difundida entre os Puritanos ingleses e os reformadores. Foi ensinada por Jonathan Edwards em seu sermão “Forçando a entrada no Reino”, e antes disso foi ensinada por seu avô Solomon Stoddard. Stoddard escreveu “Um Guia para Cristo”, q ue John Gerstner chama de o mais refinado manual sobre evangelismo reformado que ele conhece. Além deste, você poderia querer ler “O Céu tomado por violência” de Thomas Watson.

A doutrina da busca nos ensina que Deus trabalha através de meios, e se um homem deseja ser salvo ele deve se apropriar destes meios. Deixe-me dar-lhe um exemplo. A fé vem pelo ouvir, e os homens são salvos pela fé, ou melhor, os homens são salvos pela graça através da fé. Mas se preciso de fé para agradar a Deus e eu percebo que não tenho fé para crer em Deus para a salvação, o que eu deveria fazer?

E é aqui que entra o “buscar”. Se a fé vem pelo ouvir, então eu devo ouvir alguém pregar um sermão ortodoxo sobre Cristo. Se Deus vai me salvar, seu meio normal será através da pregação do evangelho. Deus não tem obrigação de me salvar se eu escuto um sermão, mas Ele provavelmente não me salvará sem que eu escute um sermão sobre a graça de Deus.

O pecador, então, deve fazer todo o possível dentro de seu poder natural para amolecer o seu coração. Ele não pode merecer a salvação, mas pelo menos ele pode “cooperar” com Deus em sua salvação ao invés de opor-se a Ele. Eu não me torno agradável a Deus por estar buscando — desde que o esteja fazendo sem interesse próprio — mas eu estou sendo menos ofensivo a Deus ao invés de mais ofensivo; e mesmo se Deus não me salvar, a minha punição no inferno será menor. E os Puritanos diriam: “Se você não pode ir a Deus com um coração reto, então vá a Ele procurando por um coração reto”. Busque ao Senhor.

8) Ler os Puritanos nos ajudará a ter prioridades certas. Segundo Coríntios 5:9 diz: “É por isso que também nos esforçamos, quer presentes, quer ausentes, para lhe ser agradáveis”. Um puritano falou da seguinte maneira: “O sorriso de Deus é minha maior recompensa; Sua expressão de desaprovação é meu maior temor”. Se é verdade que nós nos tornamos como as pessoas com as quais gastamos o nosso tempo, então é um investimento para a eternidade gastarmos tempo com os puritanos. Então, gaste o seu tempo com o melh or! O livro “Temor Evangélico” de Jeremiah Burroughs é sobre termos a prioridade correta. Trata-se de sete sermões sobre Isaías 66:2, sobre o que significa tremer da Palavra de Deus. Se Deus fala “É para este que olharei,…, e que treme da minha Palavra”, então seria sábio sabermos o que é tremer da Palavra de Deus.

9) Os Puritanos podem nos ajudar a esclarecer a questão de como um homem é justificado diante de Deus. Outro título do Solomon Stoddard é sua obra prima sobre justiça imputada: “A Segurança da Apresentação, no Dia do Juízo, na Justiça de Cristo”. Não tenho como não enfatizar extremamente a importância de ser são e sóbrio sobre esta questão de justiça imputada nestes dias onde tantos não estão sendo sóbrios e claros na eterna diferença entre justiça imputada ou atribuída e justiça infundida. A diferença entre estas duas posições não é só a dist ância entre Roma e Genebra; mas é também a distância entre o céu e o inferno. Eu recomendo para as suas leituras sobre este assunto, o livro “Justificação Somente Pela Fé”. Se você quer especificamente um livro puritano sobre esta questão, então leia “Os Puritanos e a Conversão”, ou leia o livro de Matthew Mead, “O Quase Cristão Descoberto”. Mead lista vinte e seis coisas que uma pessoa deve fazer como cristã. Fazendo estas coisas não prova que ela realmente seja cristã, no entanto não fazê-las prova que ela não é cristã. Não é para a fraqueza do coração. Esta era a versão do século 17 de “O Evangelho Segundo Jesus”, 300 anos antes de John MacArthur ter escrito aquela obra preciosa.

10) Finalmente, olhemos para os Puritanos e a Autoridade da Palavra. Sabemos que as Escrituras são Deus falando conosco. O versículo clássico de Timóteo nos diz que “Toda Escritura é inspirada por Deus” (literalmente soprada por Deus). E sabemos que seja o que for que Deus diga, nós devemos obedecer. De fato foi isto que o povo de Deus do Velho Testamento percebeu. Em Êxodo 24:7 eles declaram: “Tudo que o Senhor falou nós faremos, e seremos obedientes”. Não há nada que o Senhor diga que nós não devamos fazer; e se não o fazemos nós não somos cristãos! A coisa é simples assim!

Um puritano que era membro da Assembléia de Westminster em 1643 escreveu: “A autoridade da Escritura Sagrada, por causa da qual se deve crer e obedecer, não depende do testemunho de qualquer homem ou igreja; mas depende totalmente de Deus (que é a própria Verdade) o autor da mesma. E por isso ela deve ser recebida, porque é a Palavra de Deus”.

Sabemos que quando Deus fala nós devemos ouvir. De fato, grande parte da Grande Comissão é ensinar às pessoas a se submeterem à autoridade da Palavra de Deus “ensinando-os a observar tudo que vos tenho ordenado” (Mt 28:20).

Isto é o que surpreendia as pessoas quando Jesus ensinava. Mateus 7:29 diz que quando Jesus ensinava, as pessoas ficavam maravilhadas. Qual era a base para a admiração delas? “Ele estava ensinando-as como quem tem autoridade, e não como os escribas”.

É exatamente assim que os pregadores devem pregar: com autoridade. É um mandamento de Deus que eles assim o façam. “Falai estas coisas, exortai e reprovai com toda autoridade. Não deixe que ninguém te despreze” Tito 2:15. Enquanto afirmamos que se Deus dissesse alguma coisa nós o obedeceríamos, nós nos esquecemos que o ministro fiel é Deus falando a nós hoje. É a visão da Reforma do ministério do púlpito: quando um ministro fiel está expondo a Palavra de Deus, é a voz de Deus que você está ouvindo e não a de um homem. E isto quer dizer que deve ser obedecida.

Mas o que você escuta após o sermão? O melhor que você ouvirá é “Isto é interessante, terei que pensar sobre isto”. Mas Deus nunca nos deu Sua Palavra para ter nossa opinião ou para pensarmos sobre o assunto. Ele nos deu Sua Palavra para que a obedeçamos. O Puritano Thomas Taylor escreveu:

A Palavra de Deus deve ser pregada de tal maneira, que a majestade e a autoridade dela sejam preservadas. Os embaixadores de Cristo devem falar Sua mensagem como se Ele literalmente o fizesse. Um ministro lisonjeador é um inimigo desta autoridade, pois se um ministro deve contar “placebos” e canções doces é impossível que ele não venha trair a Verdade. Resistir esta autoridade ou enfraquecê-la é um pecado temível, seja em homens de alta ou baixa posição. E o Senhor não permitirá que seus mensageiros sejam interrompidos. Os ouvintes devem: a) orar por seus mestres, para que possam transmitir a Palavra com autoridade, com poder e claramente; b) não confundir esta autoridade nos ministros como rudeza ou antipatia, e muito menos como loucura; c) não recusar a sujeição a esta autoridade, nem ficar ofendidos quando ela sobrepuja uma prática onde eles estão relutantes em largar; pois é justo para com Deus apagar a luz daqueles que recusam a luz oferecida.

Deuteronômio 30:20 equipara um Deus de amor com obediência à Sua voz, e diz que é assim que amamos.

Bem, era assim que os puritanos viam as Escrituras. Sua elevada visão de Deus veio de sua elevada visão das Escrituras. E se nós quisermos conhecer a Deus como eles, nós devemos amar Sua Palavra como eles amaram. E este amor aumentará somente através de estudo intenso e diligente. E ler os puritanos é a próxima boa coisa. É como ir a escola com as mentes mais brilhantes que a igreja já teve.

Onde você deveria começar? Recomendo ao iniciante os seguintes títulos:

O Amor Verdadeiro do Cristão ao Cristo Invisível, de Thomas Vincent.
A Maldade do Pecado ou O Dever da Auto Negação, Thomas Watson.
Amostras de Thomas Watson, um pequeno livro de dizeres coletados.
A Graça da Lei, Ernest Kevan; um bom livro sobre o papel da lei na teologia puritana.

Os Puritanos e a Conversão, Os Puritanos e a Oração. Dois excelentes compêndios que dão ao leitor o melhor do pensamento puritano sobre os respectivos temas.

FONTE:http://voltemosaoevangelho.com/blog/2010/09/26%c2%aa-conferencia-fiel-para-pastores-e-lideres-5/

sábado, 16 de abril de 2011

Somos CONTRA o PL 122

O Blog do Prof. Luis Cavalcante condena, repudia a HOMOFOBIA e PEDOFILIA, como a HETEROFOBIA, ABORTO, RACISMO, FASCISMO DE DIREITA, FASCISMO DE ESQUERDA, NAZISMO SOCIALISTA, MARXISMO, NIILISMO, COMUNISMO, MACHISMO, FEMINISMO e principalmente o SECULARISMO e LAICISMO FUNDAMENTALISTA. Condenamos a INSTITUCIONALIZAÇÃO DA INIQUIDADE pelos representantes da CENTRO-ESQUERDA, ESQUERDA e ESQUERDISMO brasileiro.

Acreditamos que a Filosofia Política, Científica, Jurídica, Econômica, Educacional e Social de caráter Calvinista é a solução do reducionismo filosófico e moral da esquerda e direita.

Condenamos o "Estado Laico Fundamentalista", que condena os valores e princípios judaico-cristão na sociedade; sine qua non para uma sociedade saudável e equilibrada.

Defendemos a vida dos homossexuais, melhor, de todos os seres humanos (desde que não cometam assassinatos, neste ponto defendemos a Pena Capital para os casos de assassinatos e crimes de colarinho branco, uma vez julgado e culpado); mas, condenamos visceralmente o PL-122 como está redigido (que institucionaliza a iniquidade da sodomia, bissexualidade, lesbianismo e todas as perversões contrária aos princípios cosmonômicos da Criação Divina; transformando o Estado Laico em um Estado Imoral e Sodomita; trazendo as maldições espirituais, sociais e psicológicas sobre o nosso país).

Somos contrário ao PL 122 e seremos uns dos primeiros a desobedecê-lo, caso seja aprovado pelo atual governo esquerdista; sabendo de antemão que isso pode implicar: CADEIA!!!

Condenamos qualquer violência aos homossexuais, ou melhor, condenamos qualquer violência aos seres humanos.

Condenamos radicalmente todo tipo de PEDOFILIA, prostituição, imoralidade, sodomia, pederastia, divórcio, infidelidade conjugal, liberação das drogas, adoção de crianças por homossexuais e principalmente as seduções dos homossexuais por crianças, adolescentes e jovens com introdução do pênis no ânus, muitas vezes estimulados por leis, pedagogias construtivistas, relativistas, hedonistas, canais de comunicação, principalmente, a televisiva e os portais de internet.

Condenamos a "liberdade", melhor, a libertinagem das revistas e filmes pornográficos, mais, toda a literatura pornográfica que diretamente e indiretamente estimula a PEDOFILIA e toda sorte de PROSTITUIÇÃO, vendidas nas bancas de jornais, postos de combustíveis, locadoras de vídeos e livrarias, etc.

Defendemos urgente políticas e financiamento público para todos os cidadãos que não estão confortável com a sua homossexualidade e querem tratamentos terapêuticos para uma vida de heterossexualidade. O homossexual tem o direito de não querer ser homossexual e a liberdade de participar de programas filosóficos e religiosos de fortalecimento de heterossexualidade.

Tratemos todos os homossexuais com amor cristão e compartilhemos com sabedoria, paciência e caridade o poder transformador e reformador da Eterna, Inspirada, Inerrante PALAVRA DE DEUS!

O BRASIL DEVE CRIMINALIZAR A HOMOFOBIA? Segundo a Dra. Helena Lobo da Costa NÃO.

Segundo a Dra. Helena Lobo da Costa NÃO - Advogada e professora de Direito Processual Penal da Faculdade de Direito da USP - "O Direito Penal atual já está apto a agir em casos de agressões motivadas por intolerância sexual"


FONTE: http://intoleranciahomossexual.blogspot.com/2011/04/o-brasil-deve-criminalizar-homofobia.html

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Graça Operante e Graça Cooperante e o Livre-Arbítrio.

Caso se admita isto, estará fora de questão que o livre-arbítrio não é bastante ao homem para as boas obras, a não ser que seja ajudado pela graça, e na verdade pela graça especial, graça esta de que os eleitos só são dotados mediante a regeneração.

Logo, deixo de levar em conta os fanáticos que bradam que a graça é distribuída a todos de modo igual e de forma indistinta. Isto, entretanto, ainda não está claro: se porventura o homem esteja de todo privado da capacidade de fazer o bem, ou tenha para isso alguma capacidade, ainda que diminuta e precária, que certamente nada possa de si, todavia, em auxiliando-a a graça, desempenhe também ela mesma sua função. Tendo em mira decidir isto, o Mestre das Sentenças ensina que nos é necessária dupla graça para que nos tornemos capazes para uma boa obra. A uma ele chama de graça operante, mercê da qual resulta que queiramos o bem eficazmente; cooperante, a outra, que acompanha a boa vontade, coadjuvando-a.

Nesta divisão desagrada-me isto: que, enquanto atribui à graça de Deus o eficaz desejo do bem, dá a entender que, já de sua própria natureza, de certo modo, ainda que ineficazmente, o homem deseja o bem. Assim Bernardo, asseverando que de fato a boa vontade é obra de Deus, no entanto concede isto ao homem: que ele deseja, de moto próprio, esta espécie de boa vontade. Isto, entretanto, está longe da mente de Agostinho, de quem, todavia, Lombardo deseja parecer haver tomado essa distinção entre graça operante e graça cooperante.

No segundo membro desse binômio distincional ofende-me a ambigüidade, a qual tem gerado interpretação pervertida. Pois pensaram que cooperamos com a segunda dessas modalidades da graça de Deus, visto ser nosso direito ou de tornar inútil a primeira graça, rejeitando-a, ou de confirmá-la, seguindo-a obedientemente.

Isto o autor da obra A Vocaçãodos Gentios exprime desta forma: os que fazem uso do juízo da razão são livres para apartar-se da graça, de sorte a ser mérito o não haver-se apartado; e desorte que, o que não se pode fazer, senão mediante a assistência do Espírito, se credita aos merecimentos daqueles de cuja vontade isto não pôde ser feito.

Pareceu-me bem abordar, de passagem, estes dois pontos, para que o leitor já veja quanto discordo dos escolásticos mais sóbrios. Ora, dos sofistas mais recentes difiro em extensão ainda maior, a saber, quanto estão distanciado da antigüidade. Como quer que seja, desta divisão, contudo, compreendemos em que medida eles têm conferido o livre-arbítrio ao homem. Pois Lombardo sentencia, afinal, que temos o livre-arbítrio não que, em relação ao bem e ao mal, estejamos capacitados para ou fazer ou pensar de modo igual, mas apenas que somos liberados de compulsão, liberdade que, segundo ele, não é impedida, ainda que sejamos depravados, e servos do pecado, e nada possamos senão pecar.

A Inconveniênciada Expressão Livre-Arbítrio
Desse modo, pois, dir-se-á que o homem é dotado de livre-arbítrio: não porque tenha livre escolha do bem e do mal, igualmente; ao contrário, porque age mal por vontade, não por efeito de coação. Por certo que isto soa muito bem. Mas, a que servia etiquetar com título tão pomposo coisa de tão reduzida importância? Excelente liberdade, sem dúvida, seria se com efeito o homem não fosse compelido pelo pecado a servi-lo; se, no entanto, é ( – escravo por querer; escravo por vontade), de sorte que a vontade lhe é mantida amarrada pelas peias do pecado! Certamente que abomino (machías)– contendas de palavras - com as quais a Igreja em vão se afadiga, porém julgo ser religiosamente preciso evitar estas palavras que soam algo absurdo, principalmente quando induzem perniciosamente ao erro. Indago, porém, quão poucos são os que, em ouvindo atribuir-se livre-arbítrio ao homem, imediatamente não o concebam ser senhor tanto de sua mente quanto da vontade, tanto que possa de si mesmo vergar-se para uma e outra dessas duas partes?

Contudo, alguém dirá que é preciso afastar perigo desta natureza, se cuidadosamente o povo em geral for informado quanto ao exato sentido desta expressão. Na realidade, porém, como o coração humano propende espontaneamente para a falsidade, de uma palavrinha só o erro sorverá mais depressa do que faz extenso discurso em prol da verdade. Nesta própria expressão temos deste fato mais indisputável experiência do que seria de se almejar. Ora, enquanto se apega à etimologia do termo, deixada de lado aquela interpretação dos escritores antigos, quase toda a posteridade tem sido arrastada à ruinosa confiança pessoal.

FONTE: http://www.ocalvinista.com/2010/08/inconveniencia-da-expressao-livre.html

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Os Cinco Contraditórios Pontos do Arminianismo!

(a) O dogma do livre arbítrio

Como resultado da queda de Adão no Éden, a Bíblia diz que nEle, toda a raça humana está espiritualmente morta(Gn 2:17; Ef 2:1,5; Cl 2:13). Estando espiritualmente mortos, todos os filhos de Adão tendem a refletir a atitude de seu pai: como caído, fugirem da presença de Deus(Gm 3:8-10)e não se reconhecerem como culpados(pecadores)diante de Deus(Gn 3:11-13), razão pela qual, o Espírito Santo têm que convencê-los de seu pecado(Jo 16:7-9) Ora, se houvesse, após a queda, a capacidade de escolher a Deus por parte do homem espiritualmente morto, certamente Adão procuraria a Deus, e não Deus a Adão! E o resultado da queda de Adão sobre os seus descendentes é que segundo a Bíblia, "viu o SENHOR... que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração ERA SÓ MÁ continuamente"(Gn 6:5 ACF). Embora as Escrituras digam que após a queda no Éden, o homem está total e completamente morto(totalmente depravado) e arruinado; todavia, à revelia da Bíblia, os arminianos dizem que "a natureza humana foi indubitavelmente prejudicada pelo pecado, PORÊM NÃO ARRUINADA TOTALMENTE"(Rev. José G. Salvador; Arminianismo e Metodismo, p.87). Não só o dogma do livre arbítrio é falso e blasfemo, como tambem contraditório. Ele entra em contradição com o segundo ponto do arminianismo - a eleiçaõ condicional. Os arminianos dizem que desde a fundação do mundo, Deus sabia quem iria crer ou não crer em Cristo, e que, com base nessa presciência, elegeu os que iriam crer para a salvação, e da mesma forma, predestinou, designou, recusou ou reprovou de antemão[desde a eternidade] os que não iriam crêr, para a condenação(Pr. Raimundo Ferreira de Oliveira; Lições Bíblicas[CPAD], Quarto Trimestre de 1987, pp.32-33). Ora, com base nisto, perguntamos: aqueles que, pela presciência de Deus, não crerão em Cristo e que foram de antemão por Deus predestinados, designados e reprovados para a condenação, tem a capacidade para escolherem a Deus??? Se têm essa capacidade, onde fica então a presciência de Deus???
A Harpa Cristã, hinário das Assembléias de Deus, canta a doce melodia da total depravação do homem(esmigalhando o dogma do livre arbítrio), dizendo:

"Longe do Senhor, andava
No caminho do horror,
POR JESUS NÃO PERGUNTAVA,
NEM QUERIA O SEU AMOR
'NO JUÍZO NÃO PENSAVA,
NEM NA MINHA PERDIÇÃO
NEM MINHA ALMA DESEJAVA A ETERNA SALVAÇÃO"(169:1,2)

Tais frases refletem o ensino bíblico. Os ímpios, antes de serem regenerados pelo Senhor, não tem nenhum interesse por Deus(Rm 10:20). Nenhum deles tem ou podem ter qualquer desejo de ir até Cristo(Jo 3:20; 5:40; Jó 21:14-15). E o ímpio não pensa no juízo nem em sua perdição, uma vez que, em seu estado de total morte espiritual, ele não se julga um pecador(Mt 23:30; Lc 18:11-12); devido a seu estado caído(a sua natureza pecaminosa), ele não entende que o juízo de Deus está sobre ele(Pv 28:5 Sl 7:11; Rm 1:18). E por que os ímpios não estão convencidos de que estão debaixo do juízo(ira)de Deus? Porque, estando espiritualmente mortos, "ELES NADA SABEM, NEM ENTENDEM; VAGUEIAM EM TREVAS"(Sl 82:5 ARA); "OS PERVERSOS SÃO INIMIGOS DA LUZ, NÃO CONHECEM OS SEUS CAMINHOS"(Jó 24:13 ARA). Os ímpios estão totalmente impossibilitados e incapacitados de chegarem a esta conclusão por si mesmos. O Espírito Santo têm que convencê-los disso(Jo 16:7-8). Agora imaginem alguém que têm condições de chegar as suas próprias conclusões, necessitar da ajuda de outro alguém para chegar a estas conclusões? Complicado, não???Os ímpios não podem jamais desejar a salvação, visto que eles odeiam tanto a Deus(Rm 5:10; 8:7; Cl 1:21), que reputam as trevas como "luz"!(Is 5:20). Em suma, o dogma do livre arbítrio, não encontra respaudo nas Escrituras!

(b) O dogma da eleição condicional

A Bíblia diz que a eterna eleição para a salvação(Ef 1:4) é "a eleição da graça"(Rm 11:5,6), e se 'graça' é 'favor imerecido', como ela pode ser condicionada a qualquer futura atitude do homem? Embora a Bíblia diga que a eleição é da graça(isto é - incondicional = At 13:48); os arminianos, à revelia das Escrituras, dizem que ela é condicional. Não só este dogma é blasfemo e antibíblico, como tambem contraria o terceiro ponto do arminianismo. Ora, se em sua presciência, Deus já sabia quem vai crêr e quem não vai crêr em Cristo, elegendo os futuros crentes em Cristo para a salvação, bem como predestinando, designando, recusando ou reprovando de antemão os que não crerão em Cristo, como então Cristo poderia morrer por aqueles que de antemão Ele próprio havia predestinado, designado, recusado e reprovado para a condenação? Poderia Cristo morrer por aqueles que de antemão sabia que jamais creriam nEle? Morreria Cristo em vão? E onde estaria a sua presciência? Justamente por isso, cantamos com a Harpa Cristã, a doce melodia da eleição incondiconal(que é a eleição da graça):


"FOMOS NÓS PREDESTINADOS,
PARA CRERMOS EM JESUS"(236:3)

As palavras da Harpa Cristã ensinam o que a Bíblia ensina: que a fé é a consequência, não a causa da eleição para a salvação. Em outras palavras: fomos eleitos para crermos, e não porque creríamos!(At 13:48)



(c) Expiação Geral

Enquanto a Bíblia explicitamente diz que Cristo não morreu por todos os homens, sem exceção((Mt 26:28; Mc 14:24), e que seu sangue foi derramado em favor apenas dos eleitos(1 Pd 1:2); os arminianos, em revelia à Biblia, dizem que Ele morreu por todos os homens sem exceção - por cada indivíduo. Ora, tal dogma arminiano é uma blasfêmia, pois se é verdade que era parte do plano de Deus que Cristo morresse por toda a raça humana sem exceção(com o objetivo de salvar a todos), e se todos não foram salvos, então o plano de Deus foi frustrado, não alcançou o seu objetivo, não teve êxito. Só que de acordo com a Bíblia, NUNCA, JAMAIS, nenhum plano de Deus ficou sem ter o seu objetivo alcançado, antes todos os seus planos se realizaram perfeitamente(Jó 42:2; Sl 135:6; Is 46:10). Além do mais, a Bíblia diz que Cristo ficaria satisfeito com o resultado de sua obra expiatória(Is 53:11), e qual foi o por quê desta sua satisfação? Porque o plano de Deus era que Cristo morresse pelos eleitos, para que estes obtivessem a vida eterna - algo que efetiva eficazmente ocorreu!(Is 53:11; Dn 12:10; Mt 20:28; Jo 17:2,4,6). Agora, não só o dogma arminiano(expiação geral) é blasfemo e antibíblico, como entra em contradição com o quarto ponto do arminianismo. Ora, o quarto ponto do arminianismo(resistibilidade da graça divina) ensina que a graça de Deus pode ser resistida não só por uma parte da raça humana(os eleitos), mas por toda as duas partes(eleitos e não eleitos[reprovados]). Neste sentido, se Cristo morreu por toda a raça humana para dar-lhe a vida eterna, e se qualquer uma das partes da humanidade(os eleitos ou os reprovados) pode lhe resistir(ao seu chamado interno), isto faria com que o Salvador morresse em vão!!!
Mas, à revelia do do herético terceiro ponto do arminianismo, prefiro abria a Harpa Cristã e cantar a doce melodia da "Expiação Particular":


"Só mesmo o tão profundo amor
Do nosso bendito Deus,
Mandava ao mundo de horror,
O Seu Filho, PRA SALVAR OS SEUS"(475:4)

"Por Ele abençoada é toda a nação,
QUE FOI PREDESTINADA A GRANDE VOCAÇÃO"(135:3)

"JÁ DANTES DESTA CRIAÇÃO
JESUS ME PREPARAVA
A MAIS PERFEITA SALVAÇÃO;
Oh! Quanto a mim amava"(219:2).


A estrofe 3 do hino 135 ensina que somente a nação predestinada(ou escolhida)por Deus, recebia a benção da vida eterna, como diz a Bíblia(1 Cr 17:21-22; 2 Sm 7:23). A estrofe 4 do hino 465 ensina que Cristo foi enviado para morrer pelos eleitos, conforme diz a Bíblia(Jo 10:11,14-16; 17:2,6,9). A estrofe 2 do hino 219 nos ensina que Cristou amou os seus escolhidos, bem antes da fundação do mundo, com o amor de um Salvador, conforme diz a Bíblia(2 Tm 1:9).

d) Graça Resistível

A Bíblia diz que, dentre a raça humana, apenas alguns são escolhidos para a vida eterna, e que aqueles que foram escolhidos para este fim, não resistirão ao chamado interno do Espírito Santo e certamente virão a Cristo(Jo 6:37; 10:14). Contudo, à revelia da Bíblia, os arminianos dizem que todos(inclusove os eleitos) podem resistir ao chamdo interno do Espirito Santo, frustrando assim os propósitos de Deus. Todavia, este dogma arminiano não só é blasfemo e antibíblico, mas tambem contraria o segundo ponto do arminianismo. Ora, se é verdade que desde a eternidade, Deus já sabia quem iria crer em Cristo, e que com base nesta presciência, elgegeu estes para a salvação, como então estes podem resistir ao chamado interno do Espírito Santo. Este dogma resultaria em negar a presciência de Deus, bem como todo o dogma da eleição condicional para a salvação
Rejeitando este dogma arminiano(resistibilidade da graça divina), preferimos antes abrir a "Harpa Cristã" e cantar a doce melodia da "irrestibilidade da graça divina"(para os eleitos), dizendo:


"Hoje é o dia aprazível,
Vem a Jesus, teu Salvador
O SEU AMOR É IRRESISTÍVEL"(238:4).

A estrofe 4 do hino 238 nos ensina que, uma vez amados por Jesus na eternidade, consequentemente, os eleitos irresistivelemente passam a amá-lo neste mundo(1 Jo 4:19).


(e) Cair da graça ou perder a salvação

A Bíblia ensina explicitamente que é impossível um cristão ser enganado pelos ministros de Satã(Jo 10:4,5), ser arrebatado das mãos de Cristo e do Pai(Jo 10:28-29)e que nenhum dos regenerados poderão ser derrotados pelo malígno mundo(1 Jo 5:4). Mas, à revelia das Escrituras, os arminianos dizem que é possível um cristão perder a salvação. Todavia, este dogma arminiano, não só é falso e blasfemo, como tambem entra em contradição com o segundo ponto do arminianismo. Ora, se desde a eternidade Deus sabia quem ia crer nele e perseverar até o fim, e que, com base nesta presciência, os elegeu para a salvação, como é possível eles se perderem? Este dogma resultaria tanto em negar a presciência de Deus, como tambem a negar o dogma arminiano da eleição condicional
Mas, rejeitando o quinto dogma arminiano(remonstrante), prefiro abrir a Harpa Cristã e cantar a doçe melodia do "UMA VEZ SALVO, PARA SEMPRE SALVO"!!!

"NUNCA JAMAIS HEI DE PERECER"(146:2)

"ME GUARDARÁS POR TEU AMOR,
FIEL ATÉ O FIM"(229:3)

"Vem a Cristo, sem tardar,
Com seus dons te quer fartar,
COM RIQUEZAS QUE JAMAIS SE PERDERÃO"(281:3)

"PRA ESCRAVIDÃO DO EGITO NUNCA MAIS EU VOLTAREI"(316:3)

"JESUS PRA SEMPRE ME SALVOU"(424).


A estrofe 2 do hino 146 revela que é impossível um cristão perecer(Jo 10:28). A estrofe 3 do hino 281 revela que é impossível as riquezas da salvação serem perdidas. E sabe por que? Porque se a nossa salvação para a salvação e se a nossa vocação para a salvação são ambas dons de Deus(Ef 2:8-9; 2 Tm 1:9) e se "OS DONS E A VOCAÇÃO DE DEUS SÃO IRREVOGÁVEIS"(Rm 11:29 ARA), como entãio poderia Deus anular o seu chamado(interno) para a salvação e anular a própria salvação? Como poderia Ele retirar de nós a fé salvífica?(Hb 12:2). A estrofe 3 do hino 316 diz que uma vez libertos da escravidão do pecado, jamais poderemos outra vez nos tornarmos seus escravos totalmente(Jo 8:36; 2 Co 3:17). Paulo chega até a ensinar que os verdadeiros cristãos jamais se desviam para a perdição(Hb 10:39). O hino 424 simplesmente está ensinando e afirmando: "Uma vez salvos, para sempre salvos"!(Jo 5:24; 10:28-29). E a estrofe 3 do hino 229, nos ensina a coroa da doutrina reformada-protestante da perserverança dos santos. Tal estrofe nos diz que a nossa perseverança final é um produto, não de nossos esforços, mas da graça de Deus!(Jr 32:40; Fl 1:6; 1 Co 1:8).

Em suma: além dos quatro pontos do arminanismo remonstrante não se sustentarem biblicamente e de serem uma herança da Contra Reforma(através dos canônes do Concílio de Trento, 1547 d.C); para piorar ainda mais a sua situação vexatória, eles se contradizem a si mesmos - um ao outro.
Que Deus abençoe a todos.

FONTE: http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=495239&tid=5370875909682509108&na=4&nst=1&nid=495239-5370875909682509108-5562332847697337477

terça-feira, 12 de abril de 2011

Dez Efeitos de Crer nas Doutrinas da Graça

John Piper


Estes dez efeitos são um testemunho pessoal a respeito de crer nas Doutrinas da Graça, que podem ser resumidos através dos cinco pontos do calvinismo. Acabei de ministrar um seminário sobre este assunto. Os alunos me pediram que escrevesse um artigo sobre estas reflexões, ao qual eles teriam acesso. Sinto-me feliz por fazer isso. Na verdade, eles conhecem o conteúdo do curso, que está acessível no site do ministério Desiring God. Contudo, escreverei na esperança de que este testemunho estimule outros a examinarem, como os bereianos, se a Bíblia ensina o que chamo de “Calvinismo”.

1. As Doutrinas da Graça enchem-me de temor a Deus e levam-me à verdadeira adoração profunda centrada em Deus.

Recordo a época em que vi, pela primeira vez, enquanto ensinava Efésios no Bethel College, no final dos anos 1970, a afirmação concernente ao alvo de toda a obra de Deus — ou seja: “Para louvor da glória de sua graça” (Ef 1.6, 12, 14).

Isso me fez perceber que não podemos enriquecer a Deus e que, por essa razão, sua glória resplandece mais esplendidamente não quando tentamos satisfazer as necessidades dEle, e sim quando nos satisfazemos nEle como a essência de nossas obras. “Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente” (Rm 11.36). A adoração se torna um fim em si mesmo.

Isso me faz sentir quão insignificantes e inadequadas são as minhas afeições, de modo que os salmos de anseios se mostram vívidos e tornam a adoração intensa.

2. Estas verdades protegem-me de vulgarizar as coisas divinas.

Um dos caminhos de nossa cultura é a banalidade, a esperteza, a sagacidade. A televisão é o principal mantenedor de nosso desejo compulsivo por superficialidade e trivialidade.

Deus é incluído entre essas coisas. Por isso, existe hoje a vulgarização das coisas espirituais. Seriedade não está em excesso nestes dias. Foi abundante no passado. Sim, há desequilíbrios em certas pessoas que parecem não ser capazes de relaxar e falar sobre o clima.

Robertson Nicole disse a respeito de Spurgeon: “O evangelismo agradável [podemos dizer, o crescimento de igreja norteado por marketing] pode atrair multidões, mas lança a alma nas cinzas e destrói as próprias sementes do cristianismo. O Sr. Spurgeon tem sido reputado frequentemente, por aqueles que não conhecem seus sermões, como um pregador que utilizava humor. De fato, não havia nenhum outro pregador cujo tom era mais uniformemente sério, reverente e solene” (Citado em The Supremacy of God in Preaching, p. 57).

3. Estas verdades me fazem admirar a minha própria salvação.

Depois de descrever a grande salvação em Efésios, Paulo orou, na última parte daquele capítulo, para que o efeito daquela teologia fosse a iluminação do coração, a fim de que nos maravilhássemos com a nossa esperança, com as riquezas da glória de nossa herança em Deus e com o poder de Deus que opera em nós — ou seja, o poder que ressuscitou a Jesus dentre os mortos.

Todos os motivos de vanglória são removidos. Há muita alegria e gratidão.

A piedade de Jonathan Edwards começa a crescer. Quando Deus nos dá um vislumbre da sua majestade e de nossa impiedade, a vida cristã se torna uma coisa bem diferente da piedade convencional. Edwards descreveu isso, de maneira magnífica, quando disse:

Os desejos dos santos, embora zelosos, são humildes. Sua esperança é humilde; e sua alegria, ainda que indizível e cheia de glória, é humilde e contrita, deixando o cristão mais pobre de espírito, mais semelhante a uma criança e mais propenso a um comportamento modesto (Religious Affections, New Haven: Yale University Press, 1959, p. 339ss).

4. Estas verdades tornam-me alerta quanto aos substitutos centrados no homem que passam por boas-novas.

Em meu livro The Pleasures of God (2000), nas páginas 144 e 145, mostrei que, na Nova Inglaterra do século XVIII, o afastamento do ensino sobre a soberania de Deus levou ao arminianismo e, deste, ao universalismo e, deste, ao unitarismo. A mesma coisa aconteceu na Inglaterra do século XIX, depois de Spurgeon.

O livro Jonathan Edwards: A New Biography (Edinburgh: Banner of Truth, 1987, p. 454), escrito por Iain Murray, documenta a mesma coisa: “As convicções calvinistas empalideceram na América do Norte. No andamento do declínio que Edwards antecipara corretamente, aquelas igrejas congregacionais da Nova Inglaterra que tinham abraçado o arminianismo, depois do Grande Avivamento, moveram-se gradualmente ao unitarismo e ao universalismo, lideradas por Charles Chauncy”.

No livro Quest for Godliness (Wheaton, IL: Crossway Books, 1990, p. 160), escrito por J. I. Packer, você pode perceber como Richard Baxter abandonou estes ensinos e como as gerações seguintes tiveram uma colheita horrível na igreja de Baxter, em Kidderminster.

Estas doutrinas são uma proteção contra os ensinos centrados no homem que, sob muitas formas, corrompem gradualmente a igreja, tornando-a fraca em seu interior, enquanto parece forte e popular.

1 Timóteo 3.15 — “Para que, se eu tardar, fiques ciente de como se deve proceder na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, coluna e baluarte da verdade”.

5. Estas verdades fazem-me gemer diante da indescritível enfermidade de nossa cultura secular que milita contra Deus.

Não posso ler o jornal, assistir a uma propaganda na TV ou ver um outdoor sem o intenso pesar de que Deus está ausente.

Quando Ele, a principal realidade do universo, é tratado como se não existisse, tremo ao pensar na ira que está sendo acumulada. Fico chocado. Tantos cristãos estão sedados pela mesma droga que entorpece o mundo. Mas estes ensinos são um antídoto poderoso.

Oro por um despertamento e avivamento.

Esforço-me para pregar tendo em vista criar um povo tão impregnado de Deus, que O mostrará e falará sobre Ele onde quer que esteja, em todo o tempo.

Existimos para afirmar a realidade de Deus e a sua supremacia em toda a vida.

6. Estas verdades tornam-me confiante de que a obra planejada e começada por Deus chegará ao final — tanto no que diz respeito ao universo como ao indivíduo.

Este é o argumento de Romanos 8.28-39: “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou. Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? Como está escrito: Por amor de ti, somos entregues à morte o dia todo, fomos considerados como ovelhas para o matadouro. Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor”.

7. Estas verdades fazem com que eu veja todas as coisas à luz dos propósitos soberanos de Deus: dEle, por meio dEle e para Ele são todas as coisas; a Ele seja a glória para sempre e sempre.

Todas as coisas da vida se relacionam a Deus. Não há qualquer aspecto de nossa vida em que Ele não seja extremamente importante — Aquele que dá sentido a tudo (cf. 1 Co 10.31).

Ver os propósitos soberanos de Deus sendo desenvolvidos nas Escrituras e ouvir o apóstolo Paulo dizendo: Ele “faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade” (Ef 1.11) faz-me perceber o mundo desta maneira.

8. Estas verdades enchem-me da esperança de que Deus tem vontade, direito e poder de responder as súplicas para que pessoas sejam mudadas.

A garantia da oração é que Deus pode irromper e mudar as coisas — incluindo o coração humano. Pode transformar a vontade. “Santificado seja o teu nome” significa faze as pessoas santificarem o teu nome. “Que a tua palavra se propague e seja glorificada” significa faze os corações abrirem-se para o evangelho.

Devemos tomar as promessas da nova aliança e rogar a Deus que sejam trazidas à realização em nossos filhos, vizinhos e todos os campos missionários do mundo.

“Ó Deus, remove deles o coração de pedra e dá-lhes um coração de carne” (Ez 11.19).

“Senhor, circuncida o coração deles para que Te amem” (Dt 30.6).

“Ó Pai, coloca dentro deles o teu Espírito e faze-os andar nos teus estatutos” (Ez 36.27).

“Senhor, concede-lhes arrependimento e conhecimento da verdade, para que fiquem livres das armadilhas do diabo” (2 Tm 2.25-26).

“Pai, abre-lhes o coração para crerem no evangelho” (At 16.14).

9. Estas verdades recordam-me que o evangelismo é absolutamente essencial para que as pessoas venham a Cristo e sejam salvas. Recordam-me também que há esperança de sucesso em levar as pessoas à fé e que, em última análise, a conversão não depende de mim, nem está limitada à insensibilidade do incrédulo.

Portanto, isso nos proporciona esperança na evangelização, especialmente em lugares difíceis e entre pessoas de coração empedernido.

“Ainda tenho outras ovelhas, não deste aprisco; a mim me convém conduzi-las; elas ouvirão a minha voz” (Jo 10.16).

É a obra de Deus. Dedique-se a ela com resignação.

10. Estas verdades deixam-me convicto de que Deus triunfará no final.

“Lembrai-vos das coisas passadas da antiguidade: que eu sou Deus, e não há outro, eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim; que desde o princípio anuncio o que há de acontecer e desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam; que digo: o meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade” (Is 46.9-10).

Reunindo todas estas verdades: Deus recebe a glória, e nós, o gozo.

FONTE:http://www.editorafiel.com.br/artigos_detalhes.php?id=273

sábado, 2 de abril de 2011

Reforma e Carisma: Carta aberta a Marco Feliciano

Esta carta esta na íntegra como a encontramos no link a seguir:
Reforma e Carisma: Carta aberta a Marco Feliciano


Carta aberta a Marco Feliciano

Prezado Deputado Marco Feliciano,

É com grande preocupação que nós, cristãos comprometidos com o Evangelho de Cristo Jesus e os valores da Reforma Protestante, vemos as suas declarações referentes aos negros africanos e o homossexualismo. Ao se definir como pastor evangélico, o senhor assumiu o compromisso de defender as verdades do Evangelho, conforme ensinado por Cristo Jesus e seus apóstolos, no Novo Testamento. No entanto, seus pontos de vista não condizem com a Verdade que o senhor afirma defender.

Nós, cristãos juntos pelo Evangelho, repudiamos qualquer ensino que associe a maldição lançada a Canaã com o povo africano. Em Gênesis 9:24-27, vemos que a maldição é lançada apenas sobre Canaã, e não sobre os demais filhos de Cam e que ela consistiria na servidão aos filhos de Sem e de Jafé, o que acontece quando o povo de Israel conquista as cidades cananeias por meio de Josué. A exegese de Gênesis 10:16-19 mostra que os cananeus habitaram o Oriente Médio e não a África. Além disso, a leitura do Antigo e do Novo Testamento mostra que os cananeus se misturaram com os judeus e que o próprio Senhor Jesus Cristo é descendente da cananeia Raabe (Mateus 1:5).

Nós, cristãos juntos pelo Evangelho, repudiamos a sua declaração de que "A podridão dos sentimentos dos homoafetivos levam (sic) ao ódio, ao crime, à rejeição". Ao contrário, reafirmamos o ensino da depravação total, ensinado por Paulo em Romanos 3:9-18, que mostra que todos os homens, independente de sua opção ou comportamento sexual, são injustos, inúteis, cheios de amargura e prontos a fazer o mal, andando em caminhos de destruição e miséria. Não são os sentimentos homoafetivos, mas sim a nossa morte espiritual e amor pelo pecado (Efésios 2:1-3) que nos tornam praticantes do ódio, do crime e da rejeição.

Nós, cristãos juntos pelo Evangelho, reafirmamos ao senhor e à sociedade que o ensino bíblico é o de que todos os homens, independente de seu povo, etnia, comportamento sexual ou classe social, estão todos, sem distinção, debaixo da ira de Deus porque todos nós pecamos (Romanos 3:23), sendo por isso, dignos de morte (Romanos 6:23). E é com uma ênfase ainda maior que nos lembramos de que Cristo Jesus se fez maldito no lugar de todo ser humano que, independente de seu povo, etnia, comportamento sexual ou classe social (Gálatas 3:13), se volta para Ele, arrepende-se de seus pecados, crê em Sua ressurreição, confessa a Sua divindade e invoca o Seu nome (Romanos 10:9-12). Esse é o verdadeiro Evangelho!

Não aceitaremos mais que a mais bela verdade já ensinada aos homens seja manchada e distorcida publicamente por quem deveria defendê-la. E, por isso, protestamos contra seus posicionamentos e o exortamos, em nome de Jesus Cristo, a arrepender-se deste pecado.

Cristãos Juntos Pelo Evangelho

sábado, 26 de março de 2011

O Mito do Livre Arbítrio

Meus queridos amigos e irmãos que acompanham este blog, não podia deixar de colocar este artigo do Pastor Water Chantry sobre Livre Arbítrio. É necessário que se conheça a Palavra de Deus, pois só ela é capaz de mudar, através da Ação do Espírito Santo, as nossas vidas. A Deus sempre a glória e o domínio. Leiam e se deleitem no conhecimento da Palavra de Deus.

Walter Chantry, nascido em 1938, foi pastor da Grace Baptist Church em Carlisle, PA, EUA por 39 anos, até o ano de 2002. Chantry recebeu seu Mdiv pelo seminário teológico Westminster, PA, foi editor da revista “The Banner of Truth” e é escritor e preletor em conferências teológicas.

A maioria das pessoas diz que crê no “livre-arbítrio”. Você tem alguma idéia do que isso significa? Acredito que você achará grande quantidade de superstição sobre este assunto. A vontade é louvada como o grande poder da alma humana, que é completamente livre para dirigir nossa vida. Mas, do que ela é livre? E qual é o seu poder?
O mito da liberdade circunstancial

Ninguém nega que o homem tem vontade – ou seja, a capacidade de escolher o que ele quer dizer, fazer e pensar. Mas, você já refletiu sobre a profunda fraqueza de sua vontade? Embora você tenha a habilidade de fazer uma decisão, você não tem o poder de realizar seu propósito. A vontade pode planejar um curso de ação, mas não tem nenhum poder de executar sua intenção.

Os irmãos de José o odiavam. Venderam-no para ser um escravo. Mas Deus usou as ações deles para torná-lo governador sobre eles. Escolheram seu curso de ação para fazer mal a José. Mas, em seu poder, Deus dirigiu os acontecimentos para o bem de José. Ele disse: “Vós, na verdade, intentastes o mal contra mim; porém Deus o tornou em bem” (Gn 50.20).

E quantas de nossas decisões são terrivelmente frustradas? Você pode escolher ser um milionário, mas a providência de Deus talvez o impedirá. Você pode decidir ser um erudito, mas a saúde ruim, um lar instável ou a falta de condições financeiras podem frustrar sua vontade. Você escolhe sair de férias, mas, em vez disso, um acidente de automóvel pode enviar-lhe para o hospital.

Por dizer que sua vontade é livre, certamente não estão queremos dizer que isso determina o curso de sua vida. Você não escolheu a doença, a tristeza, a guerra e a pobreza que o têm privado de felicidade. Você não escolheu ter inimigos. Se a vontade do homem é tão poderosa, por que não escolhemos viver sem cessar? Mas você tem de morrer. Os principais fatores que moldam a sua vida não se devem à sua vontade. Você não seleciona sua posição social, sua cor, sua inteligência, etc.

Qualquer reflexão séria sobra a sua própria experiência produzirá esta conclusão: “O coração do homem traça o seu caminho, mas o Senhor lhe dirige os passos” (Pv 16.9). Em vez de exaltar a vontade humana, devemos humildemente louvar o Senhor, cujos propósitos moldam a nossa vida. Como Jeremias confessou: “Eu sei, ó Senhor, que não cabe ao homem determinar o seu caminho, nem ao que caminha o dirigir os seus passos” (Jr 10.23).

Sim, você pode escolher o que quer e pode planejar o que fará, mas a sua vontade não é livre para realizar qualquer coisa contrária aos propósitos de Deus. Você também não tem o poder de alcançar seus objetivos, mas somente aqueles que Deus lhe permite alcançar. Na próxima vez que você tiver tão enamorado de sua própria vontade, lembre a parábola de Jesus sobre o homem rico. O homem rico disse: “Farei isto: destruirei os meus celeiros, reconstruí-los-ei maiores e aí recolherei todo o meu produto e todos os meus bens... Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma” (Lc 12.18-21). Ele era livre para planejar, mas não para realizar. O mesmo acontece com você.
O mito da liberdade ética

A liberdade da vontade é citada como um fator importante em tomar decisões morais. Diz-se que a vontade do homem é livre para escolher entre o bem e o mal. Novamente temos de perguntar: do que ela é livre? E o que a vontade do homem é livre para escolher?

A vontade do homem é o seu poder de escolher entre alternativas. Sua vontade decide realmente suas ações dentre várias opções. Você tem a capacidade de dirigir seus próprios pensamentos, palavras e atos. Suas decisões não são formadas por uma força exterior, e sim dentro de você mesmo. Nenhum homem é compelido a agir em contrário a sua vontade, nem forçado a dizer o que ele não quer dizer. Sua vontade guia suas ações.

Isso não significa que o poder de decidir é livre de todas as influências. Você faz escolhas baseado em seu entendimento, seus sentimentos, nas coisas de que gosta e de que não gosta e em seus apetites. Em outras palavras, a sua vontade não é livre de você mesmo! As suas escolhas são determinadas por seu caráter básico. A vontade não é independente de sua natureza, e sim escrava dela. Suas escolhas não moldam seu caráter, mas seu caráter guia suas escolhas. A vontade é bastante parcial ao que você sabe, sente, ama e deseja. Você sempre escolhe com base em sua disposição, de acordo com a condição de seu coração.

É por essa razão que a sua vontade não é livre para fazer o bem. Sua vontade é serva de seu coração, e seu coração é mau. “Viu o Senhor que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração” (Gn 6.5). “Não há quem faça o bem, não há nem um sequer” (Rm 3.12). Nenhum poder força o homem a pecar em contrário à sua vontade; os descendentes de Adão são tão maus que sempre escolhem o mal.

Suas decisões são moldadas pelo seu entendimento, e a Bíblia diz sobre todos os homens: “Antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato” (Rm 1.21). O homem só pode ser justo quando deseja ter comunhão com Deus, mas “não há quem busque a Deus” (Rm 3.11). Seus desejos anelam pelo pecado, e, por isso, você não pode escolher a Deus. Escolher o bem é contrário à natureza humana. Se você escolher obedecer a Deus, isso será resultado de compulsão externa. Mas você é livre para escolher, e sua escolha está escravizada à sua própria natureza má.

Se carne fresca e salada fossem colocadas diante de um leão faminto, ele escolheria a carne. Isso aconteceria porque a natureza do leão dita a escolha. O mesmo se aplica ao homem. A vontade do homem é livre de força exterior, mas não é livre das inclinações da natureza humana. E essas inclinações são contra Deus. O poder de decisão do homem é livre para escolher o que o coração humano dita; portanto, não há possibilidade de um homem escolher agradar a Deus sem a obra anterior da graça divina.

O que muitas pessoas querem expressar quando usam o termo livre-arbítrio é a idéia de que o home é, por natureza, neutro e, por isso, capaz de escolher o bem ou o mal. Isso não é verdade. A vontade humana e toda a natureza humana é inclinada continuamente para o mal. Jeremias perguntou: “Pode, acaso, o etíope mudar a sua pele ou o leopardo, as suas manchas? Então, poderíeis fazer o bem, estando acostumados a fazer o mal” (Jr 13.23). É impossível. É contrário à natureza. Portanto, os homens necessitam desesperadamente da transformação sobrenatural de sua natureza, pois sua vontade está escravizada a escolher o mal.

Apesar do grande louvor que é dado ao “livre-arbítrio”, temos visto que a vontade do homem não é livre para escolher um curso contrário aos propósitos de Deus, nem é livre para agir em contrário à sua própria natureza moral. A sua vontade não determina os acontecimentos de sua vida, nem as circunstâncias dela. Escolhas éticas não são formadas por uma mente neutra, são sempre ditadas pelo que constitui a sua personalidade.
O mito da liberdade espiritual

No entanto, muitos afirmam que a vontade humana faz a decisão crucial de vida espiritual ou de morte espiritual. Dizem que a vontade é totalmente livre para escolher a vida eterna oferecida em Jesus ou rejeitá-la. Dizem que Deus dará um novo coração a todos que, pelo poder de seu próprio livre-arbítrio, escolherem receber a Jesus Cristo.

Não pode haver dúvida de que receber a Jesus Cristo é um ato da vontade humana. É freqüentemente chamado de “fé”. Mas, como os homens chegam a receber espontaneamente o Senhor? A resposta habitual é: “Pelo poder de seu próprio livre-arbítrio?” Como pode ser isso? Jesus é um Profeta – e receber a Jesus significa crer em tudo que ele diz. Em João 8.41-45, Jesus deixou claro que você é filho de Satanás. Esse pai maligno odeia a verdade e transmitiu, por natureza, essa mesma propensão ao seu coração. Por essa razão, Jesus disse: “Porque eu digo a verdade, não me credes”. Como a vontade humana escolherá crer no que a mente humana odeia e nega?

Além disso, receber a Jesus significa aceitá-lo como Sacerdote – ou seja, utilizar-se dele e depender dele para obter paz com Deus, por meio de seu sacrifício e intercessão. Paulo nos diz que a mente com a qual nascemos é hostil a Deus (Rm 8.7). Como a vontade escapará da influência da natureza humana que foi nascida com uma inimizade violente para com Deus? Seria insensato a vontade escolher a paz quando todo as outras partes do homem clamam por rebelião.

Receber a Jesus também significa recebê-lo como Rei. Significa escolher obedecer seus mandamentos, confessar seu direito de governar e adorá-lo em seu trono. Mas a mente, as emoções e os desejos humanos clamam: “Não queremos que este reine sobre nós” (Lc 19.14). Se todo o meu ser odeia a verdade de Jesus, odeia seu governo e odeia a paz com Deus, como a minha vontade pode ser responsável por receber a Jesus? Como pode um pecador que possui tal natureza ter fé?

Não é a vontade do homem, e sim a graça de Deus, que tem ser louvada por dar a um pecador um novo coração. A menos que Deus mude o coração, crie um novo espírito de paz, veracidade e submissão, a vontade do homem não escolherá receber a Jesus Cristo e a vida eterna nele. Um novo coração tem de ser dado antes que um homem possa escolher, pois a vontade humana está desesperadamente escravizada à natureza má do homem até no que diz respeito à conversão. Jesus disse: “Não te admires de eu te dizer: importa-vos nascer de novo” (Jo 3.7). A menos que você nasça de novo, jamais verá o reino de Deus.

Leia João 1.12-13. Essa passagem diz que aqueles que crêem em Jesus foram nascidos não “da vontade do homem, mas de Deus”. Assim como a sua vontade não é responsável por sua vinda a este mundo, assim também ela não é responsável pelo novo nascimento. É o seu Criador que tem de ser agradecido por sua vida. E, “se alguém está em Cristo, é nova criatura” (2 Co 5.17). Quem escolheu ser criado? Quando Lázaro ressuscitou dos mortos, ele pôde, então, escolher obedecer o chamado de Cristo, mas ele não pôde escolher vir à vida. Por isso, Paulo disse em Efésios 2.5: “Estando nós mortos em nossos delitos, [Deus] nos deu vida juntamente com Cristo, — pela graça sois salvos” (Ef 2.5). A fé é o primeiro ato de uma vontade que foi tornada nova pelo Espírito Santo. Receber a Cristo é um ato do homem, assim como respirar, mas, primeiramente, Deus tem de dar a vida.

Não é surpreendente que Martinho Lutero tenha escrito um livro intitulado A Escravidão da Vontade, que ele considerava um de seus mais importantes tratados. A vontade está presa nas cadeias de uma natureza humana má. Você que exalta, com grande força, o livre-arbítrio está se agarrando a uma raiz de orgulho. O homem, caído no pecado, é totalmente incapaz e desamparado. A vontade do homem não oferece qualquer esperança. Foi a vontade, ao escolher o fruto proibido, que nos colocou em miséria. Somente a poderosa graça de Deus oferece livramento. Entregue-se à misericórdia de Deus para a sua salvação. Peça ao Espírito de Graça que crie um espírito novo em você.

Traduzido por: Wellington Ferreira
Copyright© Walter Chantry
©Editora Fiel
Traduzido do original em inglês: The Myth of Free Will extraído do site: www.the-highway.com/Myth.html

quinta-feira, 24 de março de 2011

video

Há muito tempo venho dizendo e escrevendo, a nossa teologia é teologia de botiquim. Tenho certeza absoluta que milhares de igrejas por esse Brasil afora não fazem a menor idéia de quem é Deus.
Pessoas sem nenhum conhecimento de Deus estão por ai criando doutrinas, criando discipulos, fazendo uma desgraça teologica na vida de um monte de gente que está sendo enganada e iludida. E tudo isso em nome de Deus.
Ao mesmo tempo que temos pessoas que dizem: "É impossível Deus querer que eu continue nessa vida de desgraça" encontramos pessoas propagando por ai que Deus não está nem um pingo interessado em nós.
Aqui eu clamo às pessoas de boa fé e que são capazes de observar todas as coisas retendo sempre o que é bom, FAÇAMOS alguma coisa.
Não podemos deixar que pensem que o cristianismo é essa farsa que estão pregando por ai. Sejamos verdadeiros Atalaias do Rei.
Sole Deo Gloria
video

quarta-feira, 23 de março de 2011

Igreja, O Povo Escolhido de DEUS

Este estudo foi baseado no livro de 1 Pedro 1:22 - 2:10

Pedro começou sua primeira carta observando os privilégios espirituais de seus leitores 1:1-12. Baseado nessas bênçãos, ele continuou a exortar estes cristãos 1:13. Seus leitores tinham sido purificados através da obediência à verdade e precisavam amar uns aos outros com amor fervoroso e sincero.

Estes cristãos tinham renascido espiritualmente através da Palavra de Deus, descrita por Pedro como uma semente incorruptível. Normalmente, uma semente plantada apodrecerá quando a planta germinar. A Palavra de Deus, contudo, é viva e permanente, como foi observado por Isaías 40:6-9 que foi citado em 1:24-25. Não somente está vivendo a Palavra de Deus, no sentido de existir para sempre, mas no sentido de produzir vida espiritual naqueles que a obedecem.

À luz do renascimento espiritual e na necessidade de amar um ao outro, somos obrigados a nos afastar daqueles mesmos traços de caráter que são contrários a tal amor 2:1. Ao mesmo tempo, precisamos ter o mesmo desejo ardente do leite puro da palavra que uma criança recém nascida tem do leite de sua mãe 2:2. Como cristãos todos nós já experimentamos a bondade do nosso Salvador.

Contudo, nem todos têm a mesma apreciação por Jesus. Para alguns, Ele é precioso, mas para outros, é uma pedra de tropeço e uma rocha de ofensa 2:7-8. A diferença não está em Jesus. É no coração que está a diferença. Pedro descreve Jesus como uma “pedra viva”, assim fazendo uma ligação com uma profecia de Isaías 28:16 no versículo 6. Mesmo Deus escolhendo Jesus para ser a pedra principal do alicerce de sua casa espiritual, a Igreja, a nação judaica, como um todo, rejeitou Jesus como o Cristo. A rejeição dos homens não anulou a escolha de Deus 2:4.

Pedro continua e descreve os cristãos como “pedras vivas” também. Todos os cristãos, em toda parte, constituem uma casa espiritual, a igreja. O apóstolo então combina outra figura, descrevendo aqueles mesmos cristãos como sacerdotes que oferecem sacrifícios espirituais nesse “templo vivo”, através de Jesus Cristo, nosso sumo sacerdote celestial (veja Hebreus 4:14).

Pedro ainda descreve seus leitores exatamente do mesmo modo que o povo antigo de Deus, a nação de Israel, foi descrito – Êxodo 19:5-6. Sob o novo pacto, a igreja é o povo escolhido de Deus, uma nação santa, propriedade exclusiva de Deus 1:16. É um privilégio pertencer a Deus, liberto do Poder das Trevas, e ter a oportunidade de proclamar Sua majestade aos que estão totalmente desprovidos da Graça Real.

A Deus a glória eternamente!

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Quem é Deus?

“Pois nEle vivemos, e nos movemos, e existimos, como alguns dos vossos poetas têm dito: Porque dEle também somos geração.”
Atos 17.28


A Bíblia não tem o propósito de comprovar a veracidade do DEUS Vivo e Verdadeiro. A utilidade da Bíblia como Palavra de DEUS é de nos fazer entender que o DEUS Vivo e Verdadeiro nos amou de tal maneira que deu Seu único Filho, para que todo aquele que nEle crê tenha a vida eterna; e como deve ser o nosso relacionamento com Ele.
A Palavra de DEUS não está preocupada com as críticas ou perseguições que irá sofrer por não ser um tratado científico acerca de quem é o que quer e como é DEUS. O que está ali escrito sobre DEUS é somente o que ELE nos deixou para que crêssemos nEle e no Seu Filho Jesus Cristo.
A Bíblia não procura comprovar que Deus existe. Em vez disso, ela declara a sua existência e apresenta numerosos atributos seus. Muitos desses atributos são exclusivos dele, como Deus; outros, porém, existem em parte no ser humano, pelo fato de ter sido criado à imagem e semelhança de Deus.
Deus é Onipresente:
DEUS está presente em todos os lugares em um só tempo. ELE não tem necessidade de se deslocar para ali, ou para acolá, mas o ali e o acolá estão sempre diante dELE.

“Para onde me ausentarei do teu Espírito? Para onde fugirei da tua face? Se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também; se tomo as asas da alvorada e me detenho nos confins dos mares, ainda lá me haverá de guiar a tua mão, e a tua destra me susterá.” Salmo 139: 7-10

A mente humana é limitada quando o quesito a ser analisado é a supremacia e grandeza de DEUS. Nós só conseguimos ter relances, pequenos vislumbres do que é a onipresença do DEUS Vivo e Verdadeiro. A explicação mais coerente que recebi, nesses anos todos, sobre a onipresença de DEUS é a de que o Tempo e o Espaço são como o observar de uma fotografia. Que nessa foto existe desde a criação até os fins dos dias. Não podemos esquecer que: A Bíblia não procura comprovar que Deus existe, mas apresentá-lO a nós de maneira que possamos compreender a Sua real essência.
Deus não se limita a qualquer parte do universo, mas está presente com todo o seu poder em cada lugar do espaço e em cada momento do tempo (Salmo 139:7-12). Assim, Deus não pertence a uma nação ou geração. Ele é o Deus de toda a terra (Gênesis 18:25).

ONIPRESENÇA é o termo teológico que se refere à natureza ilimitada de Deus ou à sua capacidade de estar em todos os lugares ao mesmo tempo. Deus não é como os ídolos de pedra dos povos antigos, que estavam limitados a um altar ou templo específico. Deus se revela na Bíblia como o Senhor que está em toda parte. Deus estava presente como Senhor em toda a criação (Salmo 139.7-12), e não há como escapar dEle. Ele está presente nos nossos pensamentos mais íntimos. Mesmo antes de estarmos completamente formados no útero de nossa mãe, Ele já conhecia todos os dias da nossa vida (Salmo 139: 13-16)
Quando falamos da onipresença de Deus geralmente queremos dizer que sua presença está em todos os lugares. Não existe um lugar onde Deus não esteja. Mesmo assim, sendo espírito, Deus não ocupa um lugar, no sentido físico em que os objetos ocupam lugar no espaço. Deus não tem propriedades físicas que ocupem lugar no espaço. A chave para entender esse paradoxo é pensar em termos de outra dimensão. A barreira entre Deus e nós não é uma barreira de tempo ou espaço. Para se encontrar com Deus, não existe um "aonde" ir ou um "quando" vai acontecer. Estar na presença imediata de Deus é entrar numa outra dimensão.
A idéia de onipresença não só se relaciona com os lugares onde Deus está, mas também o quanto dele está presente naquele determinado lugar. Deus não só está presente em todos os lugares, mas Deus está totalmente presente em cada lugar. Isso é chamado "sua imensidade". Os crentes que moram em São Paulo experimentam a plenitude da presença de Deus, enquanto que os crentes que moram em Moscou experimentam a mesma presença. Sua imensidade, pois, não se refere ao seu tamanho, mas à sua capacidade de estar totalmente presente em todos os lugares.
A doutrina da onipresença de Deus com razão nos enche de perplexidade. Além da reverência que ela gera, essa doutrina também se revela confortadora. Podemos sempre ter certeza da atenção integral de Deus. Nunca vamos ter de esperar na fila ou marcar um horário para estar com Deus. Quando estamos na presença de Deus, ele não está preocupado com os acontecimentos do outro lado do planeta. Esta doutrina evidentemente, de maneira alguma é confortante para o não-crente. Não existe lugar para se esconder de Deus. Não existe nenhum cantinho do universo onde Deus não esteja. O ímpio que está no inferno não está separado de Deus - está separado somente de sua benevolência. A ira de Deus está constantemente com ele.
Que DEUS nos capacite e nos faça entender quão grande é o Seu poder e Glória, afim de estarmos para sempre em Sua presença.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

No Retorno às Escrituras, Precisamos Conhecer DEUS

Estou num novo projeto, o de divulgar a necessidade de retornarmos urgentemente às Escrituras Sagradas. Tenho percebido que igrejas estão, a cada dia, se distanciando mais e mais dos princípios tidos como elementares da fé cristã.
Encontro pessoas por ai com um linguajar que reproduz suas experiências com Deus, ou com "aquilo" que pensam ser Deus.
Tenho visto e ouvido pessoas falando acerca de restituições, de libertações, de unções, de bençãos e bençãos advindas de um pseudo encontro pessoal com o Jesus ressurreto.
Nesse meu novo projeto vou postar acerca do que é de quem é Deus.
Hoje começarei com uma "definição" de quem é Deus - se é que é possível definir Deus.
O que eu quero é trilhar o caminho do Conhecimento do Senhor, atendendo ao conselho de Oséias (Conheçamos e prossigamos em conhecer a Deus). Faço isso porque creio que tudo é dEle, para Ele e por meio dEle. A Ele seja a Glória, eternamente.

Quando se fala de “Conhecimento de DEUS”, estamos querendo transmitir aos que ouvem a essência e a personalidade d’Aquele que nos fez à Sua imagem e semelhança. Durante séculos o Homem procurou repsotas para a sua ânsia da Verdade, e muitas vezes esse caminho foi percorrido por aqueles que queriam, de verdade, Conhecer a DEUS. Na história da Igreja encontramos inúmeros concílios que buscavam entender quem era esse DEUS tremendo e poderoso a quem nós dizemos que servimos. Nós não estamos percorrendo um caminho desconhecido, isso que estamos fazendo não é novidade. Muitos, antes de nós, já buscaram conhecer e entender o DEUS do Universo.
Hoje iremos tentar conhecer DEUS através de uma definição. Definição oriunda da Confissão de Fé de Westminster.
A Confissão de Fé de Westminster é a principal declaração doutrinária adotada oficialmente pela Igreja Presbiteriana do Brasil. Ela foi um dos documentos aprovados pela Assembléia de Westminster (1643-1649), convocada pelo Parlamento inglês para elaborar novos padrões doutrinários, litúrgicos e administrativos para a Igreja da Inglaterra.

Sobre DEUS, a Confissão de Fé de Westminster diz o seguinte:


I. Há um só Deus vivo e verdadeiro, o qual é infinito em seu ser e perfeições. Ele é um espírito puríssimo, invisível, sem corpo, membros ou paixões; é imutável, imenso, eterno, incompreensível, - onipotente, onisciente, santíssimo, completamente livre e absoluto, fazendo tudo para a sua própria glória e segundo o conselho da sua própria vontade, que é reta e imutável. É cheio de amor, é gracioso, misericordioso, longânimo, muito bondoso e verdadeiro remunerador dos que o buscam e, contudo, justíssimo e terrível em seus juízos, pois odeia todo o pecado; de modo algum terá por inocente o culpado.

Deut. 6:4; I Cor. 8:4, 6; I Tess. 1:9; Jer. 10:10; Jó 11:79; Jó 26:14; João 6:24; I Tim. 1:17; Deut. 4:15-16; Luc. 24:39; At. 14:11, 15; Tiago 1:17; I Reis 8:27; Sal. 92:2; Sal. 145:3; Gen. 17:1; Rom. 16:27; Isa. 6:3; Sal. 115:3; Exo3:14; Ef. 1:11; Prov. 16:4; Rom. 11:36; Apoc. 4:11; I João 4:8; Exo. 36:6-7; Heb. 11:6; Nee. 9:32-33; Sal. 5:5-6; Naum 1:2-3.

II. Deus tem em si mesmo, e de si mesmo, toda a vida, glória, bondade e bem-aventurança. Ele é todo suficiente em si e para si, pois não precisa das criaturas que trouxe à existência, não deriva delas glória alguma, mas somente manifesta a sua glória nelas, por elas, para elas e sobre elas. Ele é a única origem de todo o ser; dele, por ele e para ele são todas as coisas e sobre elas tem ele soberano domínio para fazer com elas, para elas e sobre elas tudo quanto quiser. Todas as coisas estão patentes e manifestas diante dele; o seu saber é infinito, infalível e independente da criatura, de sorte que para ele nada é contingente ou incerto. Ele é santíssimo em todos os seus conselhos, em todas as suas obras e em todos os seus preceitos. Da parte dos anjos e dos homens e de qualquer outra criatura lhe são devidos todo o culto, todo o serviço e obediência, que ele há por bem requerer deles.

João 5:26; At. 7:2; Sal. 119:68; I Tim. 6: 15; At - . 17:24-25; Rom. 11:36; Apoc. 4:11; Heb. 4:13; Rom. 11:33-34; At. 15:18; Prov. 15:3; Sal. 145-17; Apoc. 5: 12-14.

III. Na unidade da Divindade há três pessoas de uma mesma substância, poder e eternidade - Deus o Pai, Deus o Filho e Deus o Espírito Santo, O Pai não é de ninguém - não é nem gerado, nem procedente; o Filho é eternamente gerado do Pai; o Espírito Santo é eternamente procedente do Pai e do Filho.
Mat. 3:16-17; 28-19; II Cor. 13:14; João 1:14, 18 e 15:26; Gal. 4:6.

domingo, 23 de janeiro de 2011

Cuidado Com o que Andam Pregando Por Ai

Hoje a noite irei pregar sobre o livro de Judas. Estudando o texto, a sociedade moderna e a Igreja "contextualizada" percebi que esta carta é tão atual como nos dias em que Judas a escreveu. Quando ele tinha por motivo principal o compartilhar sobre a comum salvação dos santos, foi tocado pelo Espírito Santo para falar acerca da fé, esta que segundo ele, uma vez por todas foi entregue aos santos.
É justamente sobre esta fé que quero discorrer aqui... Hoje muito se fala sobre "restituições", "unções", "visões", "revelações", "determinações", "satisfações", etc, etc, etc. e sinceramente eu não entendo o porque disso ter tanta audiência em nosso meio - evangélico.
Me pergunto todos os dias: "Esse povo não sabe ler?" "Esse povo comprou que 'bíblia'?" "Aonde eles aprenderam teologia?" Não é possível se falar de tanta baboseira quando se conhece, ler e estuda a Palavra de Deus.
Judas disse que a Fé foi entregue aos santos uma vez por todas. Isso significa: que a doutrina revelada por Jesus Cristo e seus apóstolos e profetas (veja Efésios 3:3-5; Atos 6:7, 8:13; Gálatas 1:23) já havia sido entregue aos santos "uma vez por todas" durante a vida de Judas, isso no primeiro século.
Por isso não entendo, não entendo porque querem colocar mais coisa naquilo que já está pronto - a Fé Cristã. Porque "inventar" se basta crer. O que é suficiente para nós? Será que não basta ser salvo eternamente do inferno? Será que precisamos de tantas "porcarias" quando temos a vida eterna em nós?
Até onde vai nossa necessidade de auto-satisfação? Nessa busca desenfreiada por mais e mais invertemos os papéis, Deus deixa de ser Deus e passa a ser um mero serviçal, copeiro ou empregado doméstico.
Em busca de novos conceitos esquecemos o que a Palavra de Deus nos ensina: "Todos pecamos", "Todos somos indesculpáveis", "Todos carecemos da Glória de Deus" (Romanos 3:23; 6:23), que "somos salvos pela fé em Jesus Cristo" (Efésios 2) e não no que Jesus Cristo Fez.
Será que não se torna atual a pregação de Judas? Hoje, assim como naquele tempo, pessoas andam por ai pregando o que a Palavra de Deus NÃO diz. Estamos rodeados de Falsos Profetas,
Falsos Mestres que se apresentam como ovelhas sem nenhuma maldade, mas que na verdade são lobos buscando apenas satisfação pessoal ou profissional.
A Carta de Judas é atual. A Igreja do Deus vivo, aquela que é coluna e baluarte da verdade, não esta que que adora o próprio ventre, precisa dá um basta. Chega. É necessário que vozes clamem,
que predras clamem, que vidas sejam postas à prova. Nós não nos calaremos.
É preciso retornar às Escrituras santas, onde esses temas: salvação, redenção, santidade, pecado, céu, inferno são o foco principal. Temas como: "você pode", "você é capaz" "restitui Senhor", "destrói meus inimigos",
"vou prosperar", etc precisam ser esquecidos. Pessoas estão indo ao Inferno por acreditarem nesses falsos ensinamentos, pessoas estão sendo enganadas com a máscara da pregação antropocêntrica e egocêntrica que só satisfaz a carne.
Precisamos ficar atentos ao que anda sendo pregado por ai. A verdade liberta. Desculpem o trocadilho, mas a Verdade verdadeira - ou seja - Jesus Cristo.
Judas continua dizendo que quem não lutar, preparado pelo conhecimento de Deus e pela prática da fé revelada por Cristo, contra a ignorância e o sossego da pregação humanista, cairá em castigo, assim como aqueles que trazem essa doutrina falsa.
Judas mostra que a aparência desses homens é só engano, e que Deus prepara juízo contra essa impiedade, sensualidade, arrogância e ganância - Judas 12-16.
A luta para escapar do engano começa com a Palavra revelada, que tanto ensina o caminho reto como mostra o caráter dos enganadores - Judas 17-19. É necessário crescer na fé, estudando a Palavra e orando ao Senhor com amor e com a forte esperança de alcançar a vida eterna - Judas 20-21.
Termino este "desabafo" com o texto de Oséias 6:3a: "Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR..."
Deus nos dê forças para lutarmos contra as heresias e blasfêmias que têm sido ditas em nome da arrecadação.

Sole Deo Gloria.